quarta-feira, 19 de agosto de 2009

Melhor que chocolate

Uma delícia o gosto desse sorriso que se abre, miúdo e discreto e talvez até meio perdido, quando estamos sozinhos navegando pelas páginas cotidianas da vida virtual em busca sabe-se lá do quê...
Aliás, em busca exatamente disso, de algo que nos faça sorrir de surpresa e com vontade de verdade.

Delícia de abraço, delícia de carinho, delícia de poesia que vem lá de longe, sem a gente esperar, e se faz presente bem mais que muito presente...

eu aproveito para me lambuzar toda.

coisas de ipê amarelo (que antes de ter trilhado as linhas de um poema, eu nunca tinha parado pra observar); coisas que aprendi com uma moça que tem um caso poético, e que na verdade, só tendo um caso como esse pra entender e explicar.

Wal, querida, que sorte a minha ter uma amiga-poeta-que-cinema como você!

é que eu arrisco um verso no meio da tarde e, à noitinha, ganho de volta um poema inteirinho.

sábado, 15 de agosto de 2009

Odeio

Amor... Você já amou? Horrível, não? Você fica tão vulnerável. O peito se abre e o coração também. Desse jeito qualquer um pode entrar e bagunçar tudo. Você ergue todas essas defesas. Constrói essa armadura inteira, durante anos, pra que nada possa te causar mal. Aí, uma pessoa idiota, igualzinha a qualquer outra, entra em sua vida idiota. Você dá a essa pessoa um pedaço seu. E ela nem pediu. Um dia, ela faz alguma coisa idiota como beijar você ou sorrir e, de repente, sua vida não lhe pertence mais. O amor faz reféns. Ele entra em você. Devora tudo que é seu e te deixa chorando no escuro. Por isso, uma simples frase como "talvez a gente devesse ser apenas amigos" ou "muito perspicaz" vira estilhaços de vidro rasgando seu coração. Dói. Não só na imaginação ou na mente. É uma dor na alma, no corpo, uma verdadeira dor que entra-em-você-e-destroça-por-dentro. Nada devia ser assim. Principalmente amor. Odeio amor.

Neil Gaiman

quarta-feira, 12 de agosto de 2009

Mais uma canção


Quando a gente descobre a música ...
...
..
.