terça-feira, 1 de junho de 2010

Havia você e o rio

Querem saber / Como é estar aqui / Lembrar e esquecer / Como sobrevivi
Querem saber Se já me sinto bem / Eu digo: melhor...
(Me explica)


Fale-me de Sabino e Pessoa, enquanto me embriago de saudade. “Amava os circos, os palhaços e as prostitutas, os bêbados, os mendigos e os poetas”. Eu também os amo. Todos. E preciso, a cada dia, de uma dose de arte da rua. Daquela que se vende em cada esquina e própria para o consumo imediato. Fale-me de Sabino e Pessoa, enquanto eu construo casos e descasos e projeto outros contos (de bruxas e fadas). E tudo entra num ritmo singelo de viver. Vou num leilão, ainda não na missa. O pedido ainda não foi atendido. A promessa fica pra depois. Eu me embriago de falta de espaço, do show que esgota o ingresso, do filme que já saiu de cartaz. Corre. Anda. Pensa menos. (Descubro outros prazeres de quando a mente fica em silêncio). Fale-me de Sabino e Pessoa. Drummond, às vezes, pode ser. Lispector está um tanto distante (ainda bem), Veríssimo, nunca mais. As mandalas passeiam por entre outras mãos, e por outros dedos, ganham outros tons (e ritmos). Nunca mais aquele quadro em branco. (Não tenho lápis de cor). Fale-me de Sabino e Pessoa. Daquele que nasceu homem e morreu menino. Daquele anônimo dos heterônimos. Me embriago de paciência. Ubuntu, Windows, das coisas que destoam. Neruda existe. Mas ainda não aqui. Werneck publicou a coletânea de crônicas que se tornaram as minhas preferidas (me mostrou um mundo possível). Ele esteve aqui, dia desses. Não o vi. Devia ao menos agradecer. Devia também, dizer a Galdino, um obrigado por aquela música que povoou alguma ausência. Eu também diria isso a Alanis. (Minha professorinha de inglês). Desculpa, mas às vezes, eu literalmente transbordo nas conversas. Eu olho, mas não escuto. Portanto, fale-me de Sabino e Pessoa (vêm, em anexo, porções de alegrias disfarçadas de doce de leite e algodão). Falando nisso, preciso de mais alface, yoga e ameixas.

na verdade continuo sob a mesma condição / distraindo a verdade, enganando o coração (Antes que seja tarde).

Um comentário:

Igor Luciano disse...

Seu blog é muito bom... Até te link(ei) no meu blog. ;)