terça-feira, 12 de fevereiro de 2008

"a vida é tão rara"

A mãe da secretária faleceu ontem. De morte natural. De velhice da vida. Morreu sem dor. Devagar, mas morreu simples. Hoje, minha mãe, na cozinha, apressa a comida ouvindo músicas interessantes. Eu vou lá e pergunto: “Isso é Rita Lee?”. Ela ri e responde seco: “Secos e Molhados”. Ela também já cozinha o jantar, já que vai sair pra trabalhar à tarde. No fogão, a sopa de lentinha do ano novo espalha o cheiro pela casa. E eu busco, inutilmente, em algum lugar, uma frase qualquer pra postar aqui. E desisto pra falar da desistência da vida e quase desistir dela também.

5 comentários:

Veriana Ribeiro disse...

Eu procuro palavras para comentar esse blog. Não consigo. Desisto. Mas ainda deixo aqui minha marca.

ThiagoMelo disse...

\o como é bom ter a Giselle como leitora, e com direito a cobrança ainda! :D
e melhor ainda é ter a Giselle pra postar pra gente ler e procurar algo pra escrever, mas eu quase nunca sei o que falar, então procuro alguma palavra pra iniciar comentário depois. ausuauahsu :P

Jeronymo Artur disse...

desistir?

já ouviu 'all you need is love'?

Mayara Montenegro disse...

Gosto do jeito que tu escreve, parece que estamos lendo um pensamento, quase como se fosse nosso, dá para imaginar as cenas, sei lá. Eu gosto. Adicionarei no meu. Abraço.

Hugo Costa disse...

cotidiano