segunda-feira, 19 de janeiro de 2009

A hora da escola – sem mochila, sem estojo e sem fechaduras complicadas, por favor (mas com Chico Pop!)

Ok, ok, se eu decidi estudar, então que assim seja. Na minha longa vida de estudante, uma das poucas coisas que eu aprendi é que cada um de nós tem o seu próprio jeito para se dedicar aos estudos. Sua própria forma de aprender, de assimilar informações e de adquirir conhecimento. É como um relógio biológico, que cada um tem o seu e é preciso respeitá-lo.

Então, cá estou eu em casa, numa única e exclusiva obrigação: fazer a monografia. Há muita coisa para ler, e sou capaz de dedicar longos 25 minutos à leitura. Depois disso, durmo os próximos 40 minutos; fico bolando na cama, em frente à Tv, durante os próximos 30; como baboseiras enquanto ando feito uma barata tonta pela casa durante os próximos 25. Vou para internet, converso no Talk ou no MSN, fuço Orkut alheio e leio blogs e outras coisas inúteis durante os próximos 120 minutos... Nada de leitura livros, de jornais como o Folha de São Paulo, G1, Estadão ou de coisas que poderiam me ajudar na tal monografia, nada disso. O meu lance é BLOG - dos ruins, como o meu, de preferência. Blogs que publicam letras de música, textinhos de garotas revoltadas, declarações de amor, fotos sem nexo, versos clichês. Eu sou capaz de passar a tarde toda lendo sem cansar. Pronto, falei!

E assim se passa uma manhã, uma tarde, um dia inteirinho e nada de uma leitura séria e proveitosa. Certo dia eu arrisquei outra opção: estudar na Biblioteca. Não tinha cama, não tinha baboseira pra comer, não tinha Tv, tinha computador (mas é preciso pedir permissão pra usar, o que de certa forma me inibia, porque eu queria usar durante um tempo, dar uma voltinha, depois usar novamente...) Enfim, foi um fracasso. É verdade que eu adiantei a leitura sim, mas foi torturante. Definitivamente, meu biológico não foi feito para sentar e se concentrar numa coisa só. O problema é esse: concentração. Eu acho que só consigo fazer algo e efetuar uma tarefa, se eu me concentrar em várias coisas ao mesmo tempo. Lá na biblioteca, entre leitura e outra de 25 minutos, o que eu tinha pra fazer (além de ler) era dar umas voltas, beber água e ir ao banheiro. Então tá, foi o que eu fiz até me deparar, mais uma vez, com aqueles momentos em que você pensa: “Meu Deus, por que isso só acontece comigo? POR QUÊÊÊÊ???”

São tantas as opções de fechaduras que o mundo nos apresenta...

Bem, a história foi a seguinte: então, eu bebi água e fui ao banheiro. De cara eu saquei que a fechadura da porta estava emperrando, por isso, não tranquei. Tudo certo até então. Voltei aos estudos (ou tentei voltar). E depois de meia-hora, lá estava eu, novamente, em busca de fugir dos livros. Repeti a cena: fui beber água e fui ao banheiro. Dessa vez, esqueci e nem percebi que a fechadura estava com problema. Lembrei quando tentei sair... Pois é, senhoras e senhores, eu – “que já andei pelos quatro cantos do mundo” - fiquei trancada no banheiro da biblioteca. A maldita não abria de jeito nenhum. E então eu fiquei sentada no vaso rindo da minha sorte. O jeito foi subir nele e pedir socorro às duas moças que estavam lavando as mãos. Chamaram outra moça, que chamou um cara, que ligou não sei pra quem... Enfim, teve até um que, ao ser perguntado se aquilo já havia acontecido antes, respondeu: “ah, ontem mesmo uma ficou presa aí...”. Ah, tá. Pois é. Menos mal. Então eles me orientaram a puxar a porta, levantar, empurrar, tentar abrir com força, com delicadeza, rápido, devagar... Todas as formas possíveis. Até que chegou um e disse a palavra mágica: “Gire a fechadura pro lado contrário”. Foi o que eu fiz e a porta se abriu.

Quem teve a idéia de fazer fechadura que abre ou fecha sendo girada pro lado oposto do óbvio? Vocês já devem imaginar que depois daí já não havia clima para estudos.

Mas a história não se acaba por aí, caros amigos. Nesse dia, eu havia acordado com vontade de comprar uma mochila. Sim, eu quero estudar e pra isso – pensei – terei que ir à biblioteca carregando livros, e como eu sou uma garota moderna (que mesmo tendo carteira de motorista, anda a pé), decidi que o melhor a fazer era adquirir uma mochila pra carregar as minhas tralhas. Eu tinha até assistido a uma matéria na Tv, com dicas sobre como escolher mochila mais adequada para cada pessoa. Bem, e como naquela tarde já não iria mais conseguir estudar, resolvi passear em busca da minha mochilinha.

Não demorou muito e eu achei a mochila mais linda e perfeita de todos os tempos. Não muito grande, não muito pequena. Com um corte super delicado, e com umas estrelinhas miúdas e estampadas nas cores branca e rosa. Linda-Linda! Entrei na loja pra ver preço e experimentar. Logo quando anunciei que queria ver aquela mochila, a vendedora me fez infeliz pergunta: “Vai entrar na faculdade é?”. “Nada, to saindo...” (da faculdade e da loja). É, acho que aquela mochila não é pra mim. Não sei. Talvez eu tenha demorado demais para ir comprar uma mochila. Aliás, onde eu estava com a cabeça, ao entrar na faculdade, que não fui comprar uma mochila como aquela? E quantas outras coisas eu deixei de fazer? Acho até que ficar trancada em banheiro também não seja coisa de quem está saindo da faculdade (embora eu tenha passado o curso todo usando um banheiro que nem porta tem – ah, fala sério, eu não vou considerar aquilo uma porta!)

Jornalismo Turma 2005: Traje à rigor pra apresentar a Tv dos anos 80 (pelo menos trabalhos divertidos eu fiz!)

Isso me lembra do dia em que, lá pelo segundo período do curso, eu perdi o meu estojo - meu estojinho lindo, com batom, grafite, canetinhas coloridas e tudo mais... – e um colega disse pra me consolar: “ô Giselle, todo mundo já perdeu o estojo um dia, mas no colégio! Tu esperou entrar na faculdade pra perdê-lo?”. Pois é, e deve haver tantas outras coisas que as pessoas fizeram na faculdade, que sabe-se lá quando eu vou fazer, e se vou mesmo fazer.

De qualquer forma, o que me interessa fazer neste momento, mesmo, de verdade, é a monografia. E não pensem que agora, sem “trabalho”, o blog será atualizado mais vezes. Ou que agora, com a minha dedicação sendo oferecida à monografia, o blog será esquecido. Não pensem em nada em relação a isso. O que sei, é que já estou até chata. É que eu só consigo falar sobre meu projeto de monografia. É a pauta da vez, única e exclusiva. Só consigo falar das histórias do Chico Pop. Leio o que ele escreveu, descubro, desvendo, concluo coisas e já quero contar. Entre dez palavras que eu falo, 9,5 são sobre Chico Pop. Isso é chato eu sei. Pensei até em fazer um blog sobre a produção do trabalho. Mas acho que é só uma forma que eu, inconscientemente, busco para me distanciar dos livros e navegar mais pelo mundo blogueiro.

Chico Pop: A Cidade Se Diverte (e eu também!)

Enquanto isso, voltarei à minha busca pela forma perfeita de se concentrar nos estudos e fazer a monografia (sem estojo, sem mochila e sem fechadura complicadas, mas com Chico Pop!) Bom, já deve ter se passados umas duas horas desde que fiz minha última leitura monográfica, portanto: Tchau!

13 comentários:

Jéssinha disse...

Te entendo totalmente, gata!
Adivinha quem deveria estar ensaiando nesse momento a apresentação da monografia que acontece essa semana (data e hora incógnitos, não quero ngm assistindo. oO).. mas em vez disso tá aqui, se esbajaaaaando na net.

Bate... aquela foto!
o/

Jannice Dantas disse...

Xll, eu também passei por essa tortura. Tirava uma tarde pra escrever e só conseguia realmente fazer alguma coisa durante os primeiros 15 minutos, o restante era dedicado a leitura de blogs e filmes para assistir.

Eu conheci o Chico, me entrevista!!
rsrsrs

Marcos Afonso disse...

Olá!

Fico muito feliz que você esteja trabalhando sobre o Chico Pop.

Ele merece.
Penso que está em boas e carinhosas mãos.

Sucesso!

Anônimo disse...

Bem feito...

quando você vai descobrir que tem gente que não foi feita pra fazer uma coisa de cada vez???
rsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrs...

mv

Andréa Zílio disse...

Gi,
te vejo aqui como uma mulher daquela nova safra de escritores que tornam o cotidiano engraçado, de aprendizado e para dar boas risadas. Acredito que tens de investir nisso, adoro tuas histórias, ADORO....rsrsrs... E quanto a coisas que só acontecem com vc, nem queira saber, parece que tenho uma atração pra isso...rsrsr. bjsssssssss

Cátia Burton disse...

Olha,sou concurseira e também tenho esse probleminha de falta de concentração nos estudos,se estudo em casa,alterno o estudo vendo tv,falando besteira no msn,comendo,vendo site de fotos,lendo blogs(como o seu),quando fazia cursinho arrumava mil desculpas pra sair da sala de aula,já até me matriculei num curso jurídico online(pasmen),já imagina o desastre que foi né? haha.Muito bom esse texto seu,agora deixa eu voltar aos meus estudos,se é que ainda é possível!

Duy disse...

Não me leve a mal, mas graças!
Lendo essa angustia consciente
me vejo me entendo e me descubro
é desse jeito, parece que os dias vão e vem e onde estou mesmo?
nas minhas ferias da facú, planejei ler livros que durante o curso ñ dava tempo e o que fiz? nada de livros apenas revistas semanais e olhe lá!
Mas penso que desse jeitinho é que as coisas, as inspirações surgem no meio do tudo ou do nada!
beijão! e viva o Chico Pop

Jeronymo Artur disse...

bem, estou no penúltimo ano de faculdade, mas já comprei material para fazer a monografia.. quero começar o projeto, começar a escrever o texto, para que ano que vem não fique enlouquecendo correndo atrás disso.. huahuahua x)
bem.. não concordo com vc qdo diz que seu blog é ruim, aliás, são essas coisas da vida que vc escreve de forma tão bela que fazem com que ele seja um dos que eu mais tenho prazer em ler! x)

e boa sorte! ;*

Maldito disse...

rsrs,...muito excelente,...parabens

Kaline Rossi disse...

Pô xis-egg!
você que agora sabe tudo sobre a vida do dito cujo, é verdade que ele foi dançarino e vendia melancia nos antigos festivais de praia do amapá?

Keth disse...

Nossa... lendo esta sua saga, só posso concluir que fazer uma monografia é sempre uma angustia... passei por situações desta natureza... mas quando a gente conclui, é como ter um filho! =)

Acho que o chato da monografia é que ela sempre tem que ser feita quando já estamos sem saco pra tanta dedicação e, paradoxalmente, quando já temos tantas informações que nem sabemos como organizar

Boa sorte na sua!!!

Daya Soares disse...

Giiii, te convido para um almoço na R.U!

日月神教-任我行 disse...

成人遊戲,免費成人影片,成人光碟,情色遊戲,情色a片,情色網,性愛自拍,美女寫真,亂倫,戀愛ING,免費視訊聊天,視訊聊天,成人短片,美女交友,美女遊戲,18禁,三級片,美女,成人圖片區,avdvd,色情遊戲,情色貼圖,女優,偷拍,情色視訊,愛情小說,85cc成人片,成人貼圖站,成人論壇,080聊天室,080苗栗人聊天室,免費a片,視訊美女,視訊做愛,免費視訊,伊莉討論區,sogo論壇,台灣論壇,plus論壇,維克斯論壇,情色論壇,性感影片,正妹,走光,色遊戲,情色自拍,kk俱樂部,好玩遊戲,免費遊戲,貼圖區,好玩遊戲區,中部人聊天室,情色視訊聊天室,聊天室ut,自拍,後宮電影院,85cc,免費影片,a片